LINHA DO TEMPO
08/10/2014

Eloverde participa de Seminário Nacional

Evento que ocorreu em Antonina, no Paraná, abordou a implantação da nova Lei Florestal

O Projeto Rio Tigre participou entre os dias 22 e 24 de setembro do I Seminário Nacional “Diálogos para a implantação da nova Lei Florestal”, em Antonina, no Paraná. Promovido pelo Projeto de Recuperação de Áreas de Preservação Permanente (RAPPs), o evento contou com o patrocínio da Petrobras.

Conforme a bióloga Nina Rosa Zanin Zanella, que representou a Eloverde, a experiência foi muito enriquecedora. “Foi um encontro de várias entidades de todo o Brasil (governamentais e não governamentais), onde se teve a oportunidade de conhecer muitos projetos socioambientais nas mais distintas realidades do norte ao sul do país. Não foi discutido o mérito da questão sobre o Novo Código Florestal em si e suas enormes falhas e brechas, mas uma vez aprovado, debateu-se formas de agilizar sua implementação e, principalmente, como fazer a adesão dos proprietários rurais ao CAR (Cadastro Ambiental Rural) e se fazer cobrar efetivamente a recuperação das áreas degradadas”, explica.

Para Nina, as entidades do terceiro setor têm um papel crucial, uma vez que os governos, em suas diferentes esferas, não possuem condições de realizar todo o trabalho na rapidez necessária para que o país rume na direção de uma recuperação ambiental efetiva e para a correta gestão dos seus recursos naturais. “A maioria dos projetos apresentados no evento trabalha com recuperação de áreas degradadas, muitos em parceria com comunidades tradicionais, indígenas, quilombolas e trabalhadores rurais, principalmente os pequenos produtores. A inclusão destas pessoas é crucial para o sucesso deste trabalho”, ressalta.

Para o Projeto Rio Tigre foi engrandecedora a participação, uma vez que em muitas localidades onde estão sendo desenvolvidos outros projetos, a escassez de água é uma realidade preocupante e cada vez mais grave. “Muitas das temáticas abordadas eram sobre a recuperação de nascentes e preservação da água. Essa crescente e lógica preocupação com os recursos hídricos nos dá força para continuar no rumo em que estamos, pois sabemos da extrema importância que é recuperar o Rio Tigre, um caudaloso e belo rio, abandonado ao descaso. Isto é uma incoerência, visto que, pessoas Brasil afora não têm de onde tirar água e um cenário futuro nos alerta para um possível agravamento da escassez deste produto”, diz.

Conforme a bióloga, graças ao evento foi possível trazer novas idéias para outros projetos a serem desenvolvidos pela Eloverde, muitos dos quais já estão dando certo em outras regiões e podem ser replicados e adaptados para a realidade local. “É preciso incluir cada vez mais os cidadãos, os trabalhadores rurais, as comunidades nativas e a sociedade em geral como atores transformadores da realidade, da construção de um meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, pois já se sabe que só se preserva o que se conhece, aquilo com o que nos envolvemos e nos identificamos. Portanto é de extrema importância que todos os grupos sociais participem ativamente, na busca deste objetivo maior que é o resgate dos vitais recursos naturais”, finaliza.

A Eloverde continua com as atividades de educação ambiental e limpeza do Rio Tigre e convida grupos da comunidade a agendar ação pelo email:  eloverde@gmail,com ou telefone: 3522 9659.

Linha Tempo