LINHA DO TEMPO
18/04/2011

Limpeza dos rios inspira cultura que anima atividade no Dourado

A partir do momento em que a ELOVERDE iniciou os seus trabalhos de limpeza dos rios dentro do Projeto de Revitalização dos Rios de Erechim, diga-se Tigre, Suzana e Dourado, houveram muitas mudanças de hábitos, idéias, paradigmas e sensibilização por parte de toda a comunidade local e regional. Não somente pela mudança significativa com relação aos cuidados com o meio ambiente, mas também pela preservação da água e fauna. Várias atividades já foram realizadas que, de uma forma ou outra, simples ou não, auxiliam neste processo de educação ambiental.

Para tanto, o último sábado, 16, oportunidade em que a ELOVERDE e equipe de voluntários estavam realizando a limpeza do rio Dourado, exemplo entre os demais visto a quase inexistência de lixo, o trabalho foi acompanhado pelo gaiteiro Roque Afonso Skowronski que, através da música de sua autoria “A História de um Rio”, e outros acordes, oportunizou a equipe não somente a satisfação do trabalho que estavam realizando, mas a certeza de que pessoas como Roque fazem e continuarão fazendo a diferença neste processo.

 Através de estrofes como “quanta saudade que eu tenho do meu tempo de piá, quando era tempo de chuva eu pegava meu bornal, e ia arrancar minhocas lá do fundo do quintal. Ia para a beira do rio, enfrentava chuva e frio. E lá eu ia pescar. Como era divertido a gente pescar ali. Pegava Jundiá e Traíra, muito Cará e Lambari. Pegava até algum dourado, o Sardelão e o Mandi. Quanta fartura de peixes que existia por ali”, seu Roque como é conhecido por toda comunidade, dá seu recado com relação a mortandade acelerada de peixes dos rios. Enquanto tocava seus acordes dentro do Dourado, a equipe da ELOVERDE, composta por umas 20 pessoas limpava o rio.

 Seu Roque, 59, que participa pela primeira vez dos trabalhos da ELOVERDE, atividade que conheceu pela imprensa, destaca que sempre amou a natureza, e a atual realidade vivida pela humanidade nos seus mais diferentes aspectos, em especial as tragédias, o levaram a compor a música que será oficial em todas as atividades de ELOVERDE a partir de agora, em especial nas Oficinas de Educação Ambiental que serão realizadas junto às escolas e outras instituições.

 O músico garante que já viajou muito pelo território brasileiro e nestas visitas que fez a diversos estados conheceu a maioria dos grandes rios do Brasil, a exemplo do Rio São Francisco. Também lembrou dos bons tempos em que se pescava muito peixe, época em que banhos eram saudáveis na beira dos rios.

 Para ele, as catástrofes que vem ocorrendo em vários países do mundo é um sinal claro de que não estamos colocados como um país isolado e que nada irá acontecer. “Sempre a preservação do meio ambiente como meta de vida. Sempre tive vontade de dar a minha participação, e a música é uma delas. A partir de agora estarei acompanhando o trabalho da ELOVERDE, levando a música e a sensibilização ambiental.

 Para moradora Estácia Kanigoski, 53 que recebeu a  ELOVERDE e voluntários com o maior carinho junto ao Povoado Rigo, estrada que liga os municípios de Erechim e Aratiba, os seis anos que está no local foram significativos no que se refere a trajetória do rio Dourado, ou seja, se há menos de uma década se via a água avermelhada por causa de frigoríficos e curtumes, hoje a água se apresenta de forma cristalina e, quando chove, por pouco não se arrisca a beber a água. “Da água vermelha e das pets que passavam boiando pelo rio, hoje vemos apenas água pura em sintonia com a natureza que a circunda”.

 O Dourado, de tão limpo, é usado em tempos de estiagem, água para o gado e, se necessário, para o uso caseiro após fervura. “A comunidade local tem ajudado em muito para que as águas permaneçam limpas, e o trabalho da Eloverde dentro da sensibilização de nossos rios é de grande importância para todos”, finaliza Estácia.

Desde que iniciados os trabalhos a ELOVERDE já retirou do Rio Tigre cerca de 38,5 toneladas de lixo, 2,0 toneladas do rio Suzana e, até o momento, cerca de  350 kg do rio Dourado com a participação de 20 voluntários.

 A música de Roque, como também os três spots que já estão nas rádios de Erechim será repassada e levada a comunidade para que todos tenham a consciência da importância da água para todos. Como ele mesmo diz em sua música “não fique apavorado, cuide bem da natureza, não diga que Deus é o culpado. Jogue lixo no lixo, não destrua a natureza e saiba que a água limpa é nossa maior riqueza”. 

Linha Tempo